Sign In

Don't have an account Sign Up

  • Follow us on :

Sign Up

Already a member Sign In

  • Follow us on :

Mídia

Notícias, dicas, informações, videos

Dida: point de sabores e saberes

Por Neide Diniz - Repórter da Reafro

O Dida é um bar com requinte de restaurante ou um restaurante com charme de bar? Há quem aposte que é tudo isso e muito mais. O tom da descontração fica por conta da decoração criativa com canecas, colheres de pau, fotos emblemáticas de personalidades negras, mesas e cadeiras de madeira. A iluminação deixa o espaço aconchegante. E o cardápio convida o cliente a degustar sabores marcantes, picantes e deliciosamente ousados e diferentes. Agora some afronegócio e culinária de alta qualidade, o resultado é: Dida Bar e Restaurante.

O empreendimento fica no Polo Gastronômico da Praça da Bandeira, Zona Norte do Rio de Janeiro, e cada dia ganha mais notoriedade. Para os frequentadores, já se tornou um point de encontros com amigos permeado com música e conversas fiadas e afinadas. O famoso jargão, “jogar conversa fora”, no Dida pode ganhar várias conotações, inclusive de empoderamento. O local tem a característica de abrir suas portas para eventos diversificados, o que dá ao carioca e ao turista a oportunidade de trocar ideias sobre temas importantes da sociedade. E de um jeito bem interessante: com graça, risos, paladares e brindes.


Noite dedicada à comemoração dos 10 anos do livro “Um defeito de cor” de Ana Maria Gonçalves.

Os eventos sempre trazem pessoas novas para descobrir o Dida, e quem vem a primeira vez volta com certeza. Isso colabora para torná-lo mais conhecido e fortalece nossa relação com o cliente”, diz a empresária Dida Nascimento, no ramo há dois anos. No dia desta matéria, o Dida recepcionou o evento do Grupo Intelectuais Negras UFRJ para celebrar os 10 anos da publicação “Um defeito de cor” de Ana Maria Gonçalves. Ao iniciar o papo de bar, como foi definido na programação, a coordenadora do Grupo, Giovana Xavier, disse: escolhemos aqui porque a ideia de tornar visível as intelectuais negras nasceu justamente num bar em Brasília”.



A coordenadora do Grupo Intelectuais Negras UFRJ comandou as apresentações das convidadas do Papo de Bar.

Em seguida, ressaltou o fato do estabelecimento ser capitaneado por uma mulher negra, ponto relevante no mundo dos negócios: “é emocionante ver Dida bem sucedida no seu ramo empresarial, trazer esta discussão para este espaço de festa é dialogar com a resistência e reexistência”. Para Giovana, o sentido da escolha também está atrelado ao livro, por ter uma personagem análoga a Dida e por despertar uma provocação: “outro aspecto importante é dilatar a intelectualidade para além da academia e aqui, a gente também transgride com o velho paradigma de que bar é coisa de homem”.

Depois das apresentações, depoimentos, relatos e agradecimentos com carga extra de gratidão, foi a vez da homenageada Ana Maria Gonçalves ser saudada. Extremamente emocionada, falou sobre a pesquisa, o processo de escrita e os cinco anos que se dedicou exclusivamente a obra literária. Para encerrar, leio uma passagem do livro que considera significativa e terminou exaltando o protagonismo da mulher negra: “que a gente possa seguir como contadoras e agentes da nossa própria história.”


Equipe do Dida Bar e Restaurante ao lado da escritora Ana Maria Gonçalves. (Foto Facebook)

O Dida Bar e Restaurante também realiza seus próprios eventos, a cada mês uma edição do Dida Afro. Quando a casa oferece um prato carioca com essência de matriz africana e mais duas iguarias. E aí vão três sugestões. Peixe a Mãe Beata, peixe assado com camarões ao molho de frutos do mar e com farofa de coco. Caril de Camarões, preparado em molho espesso, com açafrão, cominho, coentro e curry. E Muamba de Galinha, feito no óleo de palma, quiabos, gindungo, cebola e alho ao molho de amendoim. “No Dida Bar e Restaurante prezo por minha identidade e faço tudo com muito amor”, arremata Dida.

Dida: uma mulher realizadora

Isso que você está vendo é a realização de um sonho”, é assim que Dida Nascimento, inicia falando sobre o Dida Bar e Restaurante. Um sonho que ela realizou depois de se aposentar como Diretora de Seguridade do Fundo de Pensão de uma grande concessionária de Distribuidora de Energia. “Depois da aposentadoria, vi que ainda tinha muita lenha pra queimar e aí juntei a minha paixão pela África e o meu prazer em cozinhar para de certa maneira, seguir os passos de minha mãe”, relata com brilho no olhar.


Dida segue os passos da mãe e ao mesmo tempo une tradição e contemporaneidade.

Dida conta que sua mãe tinha uma barraquinha na Pavuna que fazia o maior sucesso: “lá tinha comida, samba e, de vez em quando, ela até parava o samba para rezar alguém que estava precisando, era um verdadeiro quilombo”, diverte-se ao lembrar. E mais, confessa que tem um sonho e neste momento, uma lágrima escapa discretamente : “quero colocar tapete vermelho para a negada, quero uma festa no mais alto estilo black tie, a gente merece”.

Além do glamour, ela também reforça e estimula a importância da formação acadêmica. Como economista, trabalhou para garantir a educação dos três filhos. Hoje formados, ajudam na administração e na condução do empreendimento. Ela relembra, que antes do Dida Bar e Restaurante fazia a Festa da África, no salão de seu prédio, e as realizações estavam associadas à celebração de uma conquista na área da Educação. “Era o dia todo com jongo, capoeira, samba de roda, pratos africanos e palestra do procurador Wilson Prudente para nos incentivarmos a ascender na vida”, conta Dida.


Dida e os filhos, Thiago, Stefani e Matheus, comandam o empreendimento.

E realizando estas festas, descobriu que em Moçambique, cada família tem o seu tempero. E desenvolveu o tempero da sua família. Entre os condimentos que dão o sabor especial a sua culinária, também estão doses generosas de garra e determinação. Apesar de ser uma respeitada empresária, ainda enfrenta situações constrangedoras de boicote. E, quanto a isso, ela manda um recado: “o problema é que gente incomoda, alguns não acreditam no nosso potencial e nos subestimam, mas não me abalo. Eles que me aguardem”.

Dida Bar e Restaurante - Rua Barão de Iguatemi, 408 - Praça da Bandeira - Rio de Janeiro-RJ. Tel.: (21) 2504-0841

Postagem: 18.08.2017



Outras Notícias